INSIGHTS

Aqui você encontra um rico debate sobre assuntos ligados a gestão e gerenciamento de crises.

| Por:

Líder ou porta-voz: quem fala na hora da crise?

No geral, o líder e o porta-voz têm papéis fundamentais em uma crise. Em momentos conturbados, o porta-voz recolherá a informação junto ao líder e ambos ficarão responsáveis por ajustar as mensagens com a comunicação interna. O objetivo é único: sempre manter e zelar pela boa reputação da empresa.

| Por:

O case da Johnson & Johnson que virou referência em gerenciamento de crise

Quando se fala em gerenciamento de crise e da respectiva atuação do departamento de Relações Públicas para contê-la, o primeiro grande case a ser lembrado é o da Johnson & Johnson. Entenda o que aconteceu e como a empresa fez história ao administrar uma crise de imagem envolvendo um de seus produtos de maior destaque: o analgésico Tylenol.

| Por:

Qual a conexão entre Gestão de Riscos e Gestão de Crises?

Não faz sentido tratar risco e crise de forma separada, pois a sinergia entre ambos é muito grande e qualquer sobreposição significa diretamente esforço e dinheiro desperdiçados. Costumamos dizer que o risco que tende a se transformar em um gatilho de crise é aquele de baixíssima probabilidade (improvável) e de elevadíssimo impacto. A resposta mais comum para tratar esses riscos é investir em um plano, pois, muitas vezes, a improbabilidade não justifica o investimento no plano de mitigação. Quer saber mais sobre isso? Leia o post de hoje!

| Por:

WannaCry: lições aprendidas sobre o ransomware que parou o mundo

A solução para uma crise de alta complexidade e impactos astronômicos nem sempre demanda recursos caros e sofisticados. Essa é uma das lições aprendidas com o ataque cibernético ocorrido na última sexta-feira (12), que causou impactos substanciais em 99 países ao redor do mundo e atingiu cerca de 200 mil computadores. Entenda o que aconteceu e o que podemos aprender com o WannaCry Ransomware.

| Por:

A importância da gestão de crises para o sucesso do seu negócio

Pessoas envolvidas em uma situação de crise sempre se sentirão emocionalmente abaladas, e a tendência natural nesta condição é produzir uma resposta despreparada. Somente esta constatação simples já é suficiente para nos convencer da necessidade de elaborar um plano de gestão de crise. No ambiente de risco que qualquer indústria está inserida e nos mercados competitivos que estamos atuando não existe espaço para improviso.

| Por:

O que podemos aprender sobre crises com o acidente de Chernobyl

O acidente na usina nuclear de Chernobyl, na Ucrânia, então território soviético, completa seu 31º aniversário hoje, em 26 de abril. O desastre tomou proporções mundiais e nunca foi levantado o número certo de vítimas, visto que o problema da radiação afetou as gerações seguintes. Com destaque na imprensa e marcado ainda pelo contexto político da época, esse, que é considerado o maior desastre nuclear da história, é um grande exemplo da importância da gestão e do gerenciamento de crises.